segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Shakti Sabores Ghi



A Shakti Sabores oferece Ghi artesanal de manteiga orgânica da serra catarinense feita com leite de vacas que vivenciam o pastoreio voisin. A Ghi é um dos alimentos mais antigos e nutridores. A Ghi ou Ghee (forma ocidental de escrever) tem sabor delicado e ocupa posição de destaque na culinária indiana e ocidental.

Conhecido no Ayurveda como o alimento sagrado, a Ghi se torna o alimento perfeito por possibilitar uma nutrição profunda em todos os tecidos, dhatus, além de ser empregado em inúmeras terapias.

Na medicina ayurvédica, existem três humores biológicos chamados doshas: vata elemento ar predominante), pitta (elemento fogo) e kapha (elemento terra e água). A Ghi é tridosha, pois atua nos três humores, equilibrando o organismo.

A Ghi é basicamente manteiga purificada ou clarificada. Isto é, manteiga à qual foi retirada a lactose, água e outros elementos presentes no leite. Segundo a milenar ciência Ayurvedica, a Ghi é um alimento que promove a saúde integral do nosso corpo, vitalidade e longevidade, tendo uma influência positiva e sutil no nosso corpo, mente e espírito. É tônico, rejuvenescedor, afrodisíaco, digestivo, estimulante, nutre os 7 tecidos (dhatus), aumenta ojas, faz bem para a voz, para os olhos, fortalece o fígado, os rins e o cérebro.

Ao ingerir Ghi, estamos fornecendo o melhor dos combustíveis ao nosso fogo digestivo (agni). A Ghi não necessita de nenhum tipo de preservação especial. Pode ficar fora da geladeira e manter-se preservada durante bom tempo.

Mesmo sendo uma gordura saudável, deve ser consumida com moderação. Como a Ghi é mais saborosa que outros óleos, uma pequena quantidade é suficiente.

A Ghi tem um ponto de combustão muito alto, comparado com os outros óleos ou azeites. Não queima, não cria toxinas ou faz fumaça enquanto se cozinha.

É um tônico fortalecedor e regenerador dos fluídos, aumentando sua mobilidade, exatamente o oposto da manteiga que provoca degeneração, acúmulo e problemas de circulação nas artérias.

Pode ser usada no lugar da manteiga, margarina e para todos os tipos de culinária, refogar legumes, cozidos, sopas. Tudo fica muito saboroso e nutritivo!



Oferecemos a Ghi nas quantidades de 200g, 400g e 500g.
Para encomendas entre em contato: 48 9917-7523 ou gaialuasol@hotmail.com

Namastê!

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Momento ritual


Ritualizar cada momento, mantendo a atenção e a consciência no aqui e agora, faz com que vivamos a vida mais plenamente. Devemos aceitar e agradecer tudo o que nos é oferecido nessa vida. Mesmo os momentos ruins tem o seu valor. Pois afinal o que seriam dos momentos bons sem os ruins? Não saberíamos identificá-los e tudo seria neutro, sem vida. A vida é um fluxo, há vezes que estamos fluindo de uma maneira leve e solta, sem nos apegarmos nos acontecimentos e outras vezes tudo fica meio emperrado, sem fluidez. O importante é termos consciência de que tudo é impermanente. Tudo passa. Ao ritualizarmos a nossa vida entramos em conexão com a energia cósmica.

Sugestões de momentos ritual: ao despertar, ao se recolher antes de dormir, antes e após uma prática de Yoga, antes e após qualquer procedimento de cura, na feitura de refeições, ao iniciar uma refeição, cerimônias de união, nascimento, despedida, consultas adivinhatórias, meditação, transições lunares, equinócios e solstícios, aniversários, virada de ano, dias em homenagem a deuses(as) e santos(as) que você se identifique, virada do dia para noite e da noite para o dia, ao estar em contato com a natureza, ao estar em contato com um dos 4 elementos (ar, água, fogo e terra), ao fazer pranayamas imaginando o fluxo de PRANA curando e purificando o seu organismo, ao iniciar uma relação sexual com um(a) parceiro(a) que você sinta estar na mesma vibração que você, primeira menstruação, ao saber que está concebendo um ser, inícios e términos em geral, enfim, entre outros momentos que achar interessante.

Existem várias culturas e religiões que possuem rituais diferenciados e até similares. Para momentos relacionados ao seu dia-a-dia, que não dependam de cerimônias mais elaboradas, você mesmo pode criar o seu próprio momento ritual, com intenções de gratidão, saudação, fazendo um pedido ou simplesmente sentir e contemplar o momento por inteiro. Você pode incluir mantras, oferendas, silêncio, contemplação, jejum, alegria, dança ou qualquer coisa que o seu coração pedir ou a sua intuição identificar como sendo ideal. Na feitura de alimentos por exemplo, você pode gerar uma intenção de saúde, prosperidade e paz para quem for ingerir o alimento. É muito pessoal a escolha de momentos rituais. Acima foram algumas sugestões, mas você que deve sentir em você o que é melhor para se ritualizar.

O importante é estar presente nos momentos, pois cada momento é único, não volta atrás. Por exemplo, o seu aniversário do ano passado, não será o mesmo desse ano. O pôr-do-sol de ontem não será o mesmo de ontem. A flor que você viu ontem, não estará igual hoje, e assim por diante. Por isso, tudo passa, até nós mesmos. Hoje estamos aqui e amanhã, semana que vem, no ano que vem, poderemos não estar mais. Então, deixe a sua vida “viva”, criando consciência de que tudo é impermanente, agradeça e honre tudo, pois a oportunidade de estarmos aqui e agora nessa vida é única. Podemos ritualizar qualquer momento. Use a sua imaginação!

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Ásanas e a respiração


Respirar é viver. Então é de máxima importância termos consciência da nossa respiração. Há pessoas que simplesmente “esquecem-se” de respirar, perdendo muito com isso. Não vemos o ar que respiramos, apenas o sentimos, e por ser um ato automático, não damos muita importância ao mesmo. As pessoas pouco sabem da energia poderosa que uma respiração bem feita pode trazer ao nosso organismo como um todo. É necessário termos consciência do PRANA, que é a energia que entra e sai do nosso corpo através da respiração. O ar é um elemento sutil e controla todos os movimentos do nosso corpo e da nossa mente. A respiração estando equilibrada produz-se uma forma mais elevada de Prana. Quando conseguimos manter o Apana (energia que controla os movimentos descendentes do nosso corpo) e o Prana na região do umbigo conseguimos vencer muitas doenças. No Yoga o Mulabanda (contração das regiões anal e uretral) permite essa concentração de energia e promove benefícios orgânicos e energéticos.
A respiração é como um músculo. Temos que gradualmente ir aumentando a força da respiração. A mente e a respiração tem uma conexão muito forte e para acalmar as emoções, basta acalmarmos a nossa respiração. Não é qualquer um que consegue fazer práticas avançadas de Pranayamas como os hindus yogues, por isso é importante praticar para adquirir um domínio do próprio corpo e mente. A respiração é um fator essencial nas práticas de Yoga e no dia a dia. Com Pranayamas podemos purificar e curar o nosso corpo e mente. Uma quantidade insuficiente de oxigênio significa: eliminação imperfeita e saúde imperfeita.
A respiração correta feita juntamente com ásanas gera uma massagem interna no corpo aumentando o espaço e proporcionando a oxigenação das células. Os pranayamas (formas de respiração) criam uma consciência corporal sutil muito benéfica para o equilíbrio da mente, corpo e espírito. Há ásanas que permitem o uso de pranayamas e outros se utilizam somente de uma respiração direcionada. Como saber qual a melhor respiração para aprimorar uma postura? Muito vai da auto-observação, aonde quero obter mais espaço, pois só pode haver movimento se houver espaço. Como exemplo de uma torção, as melhores respirações são a média e alta, pois liberam espaço dentro do nosso corpo para se ter um movimento mais aprofundado. Os benefícios dos pranayamas são relativos a cada pessoa. Há pessoas que necessitam praticar um pranayama específico para ativar um aspecto em seu corpo, mente ou espírito e há outras que seria mais benéfico se utilizar de um pranayama diferente. Por isso é de máxima importância o indivíduo assumir uma atitude ativa perante a sua saúde tomando as rédeas de certos procedimentos que irão beneficiar seu organismo como um todo. Nós temos o poder de nos curarmos e a respiração é um meio para isso.
Há muitas técnicas de respiração para você experimentar sentindo-as em seu organismo. Pesquise em livros, vídeos e obtenha orientação com professores de Yoga, mas sempre procure perceber e sentir o seu limite e vá aumentando gradativamente o tempo e a intensidade. A respiração completa é uma forma de preencher o nosso organismo com um fluxo grande de ar, oxigenando as células, tecidos e tem função de acalmar, reduzindo a ansiedade. Essa respiração pode ser feita em qualquer lugar e nas posições em pé, sentado ou deitado. O procedimento dessa respiração é simples, mas é necessário ter consciência de que ela é dividida em três partes: baixa (no abdome), média (entre as costelas) e alta (peito e clavícula). Primeiro inspire focalizando sua atenção no abdome e vá preenchendo-o de ar subindo até as costelas, abrindo-as e continue inspirando subindo até o peito e clavículas. Faça uma contagem mental de cinco segundos na inspiração e cinco segundos na expiração para manter um ritmo. Faça para começar 8 respirações completas e depois respire normalmente e sinta como está o estado do seu corpo e mente. Provavelmente você estará mais relaxado e tranqüilo. Depois que você estiver mais acostumado com essa respiração procure fazê-la da maneira inversa. Primeiro preencha na inspiração a região alta, do peito e clavículas, vá descendo abrindo as costelas e termine na região do abdome. Continue com a contagem de 5 segundos na inspiração e na expiração. Com o tempo você pode aumentar os segundos da inspiração e da expiração. Leve em conta que esse avanço não será de um dia para o outro. É um processo de auto-conhecimento que inclui respeitar os seus limites, aceitar e honrar o ser que você é.

Yoga e natureza


Dharma, significa ordem cósmica, onde o universo é perfeito, um todo harmônico e orgânico. Viver em harmonia com o Dharma, ordem cósmica, a natureza, traz evolução, direção e equilíbrio. O Yoga desde os seus primórdios surgiu através da observação da natureza entre seus vários cenários, seres e elementos. O Yoga não foi criado por alguém em específico, mas sim por vários observadores, investigadores e experienciadores. Dessas pessoas surgiram vários sábios e os ensinamentos foram passados de guru a discípulo até os dias atuais sofrendo várias adaptações e modificações, mas sempre procurando manter o propósito do Yoga, que é um caminho espiritual, um método de auto-conhecimento, controle da mente e sentidos que tem como objetivo a iluminação. O Yoga não é uma religião, mas sim uma prática diária que nos faz desenvolver melhor a nossa prática religiosa independente qual seja.
O Yoga nos mostra que as energias do universo estão presentes dentro de nós, como se fossemos um microcosmo dentro de um macrocosmo. Para que essas energias fluam em harmonia é necessário que consigamos identificá-las e que saibamos interagir com elas. Essas energias são sutis e se identificam com os elementos da natureza. Dentro de nós temos o sol, a lua, a água, a terra, o ar, o fogo e o espaço. Esses aspectos sutis dos elementos dentro nós mobilizam grande parte da energia do nosso corpo. O reconhecimento dos elementos da natureza dentro de nós se torna essencial para que saibamos manipular harmoniosamente a energia que nos foi dada através da energia suprema que governa todo o universo.
Todos os elementos se complementam. O fogo está contido no ar e o ar está contido no espaço. A água produz fluxo e é gerada pela condensação do fogo. A água gera coesão na terra. A terra contém todos os elementos em si. O nosso corpo é formado pelos cinco elementos em diferentes graus e cada ser humano tem uma estrutura original única. Por termos uma estrutura original única é importante praticarmos o exercício da auto-observação, pois o que é bom para mim pode não ser bom para você. É importante termos cuidado ao generalizar as coisas. Por isso no Yoga devemos respeitar os nossos limites corporais e mentais procurando fazer uma auto-análise. É essencial desenvolvermos a aceitação perante o nosso ser.
Voltando aos elementos sutis dentro de nós, veremos que o nosso corpo é composto de dois hemisférios, o esquerdo que é regido pela energia solar e o direito pela energia lunar. Podemos equilibrá-los através de mudras, pranayamas, mantras e ásanas. O pranayama mais indicado é o das narinas alternadas que desobstrui o fluxo respiratório, aumentando o fluir energético. Essa prática atinge diretamente os hemisférios produzindo equilíbrio físico, mental e espiritual. O elemento ar nesse caso é o que rege esse pranayama e objetiva equilibrar o sol e a lua dentro de nós.
O elemento sutil da água se encontra em nossa mente. A mente é um fluxo desordenado de pensamentos e emoções que pode ser representado por águas revoltas e incessantes. Para equilibrarmos esse fluxo é necessário encontrarmos uma direção e achar uma medida de contenção para que a mente não nos controle. Nós devemos controlar a nossa mente e podemos atingir isso através da pratica da meditação que representa o elemento éter (espaço), pois como mencionado acima, a água produz fluxo e é gerada pela condensação do fogo, o fogo está contido no ar e o ar está contido no espaço. O espaço representa o nada e o todo. O todo está contido no nada e o nada está contido no todo. E a meditação é isso, é um equilíbrio entre o nada e o todo, onde conseguimos direcionar o fluxo dos pensamentos para atingirmos o nada e estarmos conectados com o todo ao mesmo tempo. Existem várias formas de se meditar, mas como mencionado acima não posso generalizar que tal forma é melhor para você, pois somos seres únicos e o que é melhor para mim pode não ser melhor para você. É preciso que você vivencie várias práticas de meditação praticando a auto-observação e sinta qual a que teve melhor efeito ao aquietar sua mente e o seu corpo.
O elemento sutil do fogo se reflete em nosso corpo em vários aspectos relacionados a nossa vitalidade e imunidade. Fogo é luz, então para que aumentemos a nossa “luz” precisamos estar em contato com esse elemento. Esse contato pode ser mantido através da conexão do nosso plexo solar com as energias solares. O resgate do nosso fogo interno pode ser feito através de mantras, ásanas e pranayamas específicos, em especial o Kapalabhathi, técnica de respiração que eleva a energia e esquenta o corpo. O contato com o elemento fogo em si através de fogueiras, velas, é muito benéfico. Procure reverenciá-lo e observá-lo como um elemento sagrado e entre em conexão com a sua magnífica dança.
O elemento sutil da terra em nosso corpo pode ser evidenciado através de ásanas que promovem uma conexão maior com a terra. Esses ásanas aterradores, são os sentados e deitados. Procure experienciar alguns ásanas aterradores buscando a conexão com esse elemento. Esses ásanas podem ser muito benéficos para pessoas que tem o elemento ar muito elevado em sua estrutura corporal e mental. O contato com a terra em si com os pés descalsos é muito curador, principalmente para pessoas que vivem em cidades grandes e não costumam ficar com os pés descalsos. A energia telúrica que contém todos os elementos promove estabilidade. É a energia da Grande Mãe criadora e destruidora.
O Yoga nos conecta com a nossa natureza interna. Ao nos observarmos estaremos mais conscientes de quem somos e dos nossos limites. Para isso devemos estar ligados no aqui e agora e no todo ao nosso redor. A nossa eterna busca é uma aventura de auto-descobrimento, onde todas as respostas estão dentro de nós.

domingo, 31 de maio de 2009

Yoga Massagem Ayurvédica



Estou aplicando a Yoga Massagem Ayurvédica, fiz o curso de formação com a Gerli (Kosha) querida, discípula da Kusum. Me identifiquei muito com essa técnica, por ter alongamentos e posturas do Yoga, a qual pratico e tenho contato há 15 anos. Desde o ano passado venho estudando por conta própria o Ayurveda e esse ano resolvi fazer o curso de formação de terapeuta ayurvédico. Todos os conhecimentos que venho absorvendo tem sido muito ricos para a minha evolução em todos os aspectos.


A Yoga Massagem Ayurvédica tem grande contribuição dentro da ciência Ayurveda. Temos vários tipos de massagens dentro do Ayurveda, mas essa em particular faz parte do método Kusum Modak, que foi discípula por 25 anos do mestre Iyengar, um dos mais proeminentes professores de Yoga do século.

Essa técnica é uma combinação de massagem e alongamentos do Yoga, relacionados aos ensinamentos do mestre Iyengar e tem como base a milenar sabedoria do Ayurveda, que nos faz sentir e entender a energia luminosa que flui em nosso corpo, mente e espírito, tanto para quem a recebe quanto para quem a dá.

O objetivo dessa massagem é dissolver tensões e desbloquear a energia estagnada no corpo. A prática de alongamentos e manobras específicas, ajuda a recuperar a vitalidade e equilíbrio do corpo.
É uma massagem feita com óleos tridoshas medicados com óleos essenciais de acordo com as necessidades de quem está recebendo.

Os benefícios da Yoga Massagem Ayurvédica:
  • alivia tensóes e cansaço
  • equilibra o corpo e melhora a flexibilidade
  • melhora a circulação sanguínea, sistema linfático e sistema nervoso
  • melhora o sistema imunológico
  • rejuvenesce e cura o corpo através da melhora da circulação e nutrição através dos óleos
  • estimula a eliminação de toxinas
  • equilibra o mental e o emocional
  • equilibra a energia do organismo
A Yoga Massagem Ayurvédica é muito indicada para problemas como:
  • dores nas costas e pescoço
  • dor de cabeça
  • problemas no nervo ciático
  • insônia
  • sistema imunológico fraco
  • desordens digestivas
  • dores nas articulações
  • dores musculares
Namastê!

domingo, 17 de maio de 2009

Ayurveda - sabedoria milenar


O Ayurveda é uma sabedoria de 10.000 anos que é ensinada até hoje. É uma terapia celular que trabalha para a manutenção saúde para se ter vida longa. Os sábios do Ayurveda acreditam que para se ter saúde basta viver em sintonia com a ordem cósmica, isto é, respeitando a natureza e seus movimentos. Vivendo dessa maneira enveredamos para o caminho da evolução, direção, equilíbrio, atingindo o nosso Dharma.

"Aquele Dharma que é imperecível em todo o tempo e lugar, que conserva a mesma forma em todas as partes, que gera idéias iguais e compreensão, que é eterno e constante, que está livre de defeitos, promove a felicidade de todos os mundos, serve a todos e a cada um e cuja origem está em Brahm, este é o SANÁTANA DHARMA." Sanátana Dharma Dipika

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Om Mani Padme Hum


Om Mani Padme Hum

Da lama nasce a flor de lótus.

Do impossível nasce o possível.