quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Urdhvamukha svanasana


Urdhvamukha svanasana (Postura do cachorro olhando para cima)

Benefícios: Fortalece e estabiliza os ombros, peito, braços e abdome. Desenvolve flexibilidade na coluna. Alonga os músculos peitorais e os músculos profundos do abdome.

Contra-indicações: Lesões nos punhos. Síndrome do túnel do carpo. Lesões nos ombros. Dores na lombar. Hérnia de disco.

Utthita Hasta Padangusthasana


Utthita Hasta Padangusthasana (Postura do polegar no pé com a mão estendida)

Benefícios: melhora a concentração, coordena o equilibrio do sistema nervoso e muscular. Os músculos das pernas e quadril são tonificados, os tendões são alongados, beneficiando os joelhos e tornozelos.

Contra-indicações: Esse àsana não deve ser praticado por pessoas com dor ciática e problemas no quadril.

Chakrāsana


Chakrāsana (Postura da Roda)

Benefícios: a prática dessa postura fortifica as pernas. Beneficía os sistemas nervoso, digestivo, cardiovascular, respiratório e glandular. Influencia as secreções hormonais e ajuda a aliviar diversas disordens ginecológicas.

Contra-indicações: não deve ser praticada por pessoas com qualquer tipo de doença. Pulsos e lombar doloridos. Durante a gravidez, ou se está muito cansado. Hérnia de disco.

Variação:



quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Harmonia ao se alimentar



Alimentos de sabor doce se tornam azedos em nosso trato digestivo quando as emoções presentes durante a ingestão do alimento são negativas. Nuca coma se estiver chateado, pois é uma agressão ao seu corpo e uma falta de respeito com quem cozinhou e com o alimento em si. O estado de espírito também conta não só quando nos alimentamos mas também quando preparamos o alimento.

O silêncio é a melhor sadhana para manter durante as refeições; uma conversa leve em tom suave é aceitável. É importante manter uma rotina durante as refeições, sendo que devem ser mantidas no mesmo horário todos os dias. Entretanto, existem horários benéficos para cada tipo de corpo e é difícil coordenar esses horários em uma família por exemplo. Pessoas que tendem a ganhar peso com facilidade não devem dormir logo após as refeições. Algumas considerações gerais para todos os tipos:

Ofereça uma prece de gratidão pelo alimento antes de iniciar a refeição.
Tome meia xícara de água morna se sua digestão estiver lenta ou agni fraco. 
Verifique se sua narina direita está desobstruída antes da refeição.
Permita um espaço de tempo de algumas horas da última refeição e o horário de dormir.
Dê uma leve caminhada após as refeições para facilitar a digestão.
Nunca coma com pressa ou muito devagar.
Nunca coma em pé, andando, deitado ou assistindo TV.
Preencha o estômago, mas sem saturação.
Espere pelo menos 3 horas antes de ingerir outros alimentos.
Procure não ter atividade sexual logo após uma refeição.

A nossa digestão inicia pela boca, quando introduzimos o alimento, sentindo seu sabor, ativando as papilas gustativas. A mastigação é uma forma de meditação e se não a fazemos da maneira propícia nós privamos o nosso corpo de receber os nutrientes necessários e cortamos o processo de assimilação da energia do alimento, as memórias e a sabedoria que ele sustenta. Procure praticar a quietude e o relaxamento enquanto se alimenta.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Ciclos do dia e os doshas




A terra está em constante mutação e seus ciclos são influenciados através da sua relação com o sol e a lua. Verificamos abaixo os ciclos do dia onde os doshas VATA, PITTA e KAPHA são dominantes.

VATA: 2h às 6h e 14h às 18h
PITTA: 10h às 14h e 22h às 2h
KAPHA:  6h às 10h e 18h às 22h

Ao nascer do sol, Vata domina, Pitta é neutro e Kapha acumula.

Pela manhã, Vata reduz, Pitta acumula e Kapha domina.

Ao meio dia, Vata é neutro, Pitta domina e Kapha reduz.

À tarde, Vata acumula, Pitta reduz e Kapha é neutro.

No pôr do sol, Vata domina, Pitta é neutro e Kapha acumula.

À noite, Vata reduz, Pitta acumula e Kapha domina.

À meia noite, Vata é neutro, Pitta domina e Kapha reduz.

Cada dia nós vivenciamos seis fases de expansão e contração, que são controladas pelo sol. No nascer do sol, as qualidades secas, frias e móveis de Vata prevalecem. Pela manhã a energia fria e pesada de Kapha começa a sair de nosso corpo à medida que despertamos. Ao meio dia, quando o sol está no pico e aquece nosso corpo com seu calor, Pitta prevalece. No meio da tarde, quando a energia do sol já não está tão forte, a qualidade seca e fria de Vata volta a dominar. No pôr do sol, Kapha volta são nosso corpo induzindo-nos ao descanso. A meia noite, quando o sol está longe da terra, Pitta prevalece mais uma vez.

Controlado pelas ondas de calor vindas do sol, o calor do corpo está no pico ao meio dia e a meia noite, onde Pitta é dominante. As junções do dia para a noite e da noite para o dia, são dominantes por Vata e Kapha.

Quando Kapha predomina de dia deve-se priorizar limpezas e atividades corporais e alimentação leve.

Quando Pitta predomina de dia deve-se aproveitar para desenvolver atividades intelectuais e absorver a principal refeição do dia, o almoço até no máximo 13:30.

Quando Vata predomina de dia é interessante aproveitar para desenvolver trabalhos criativos e intelectuais, atividades lúdicas, meditação, exercícios suaves e aterradores, caminhadas ao ar livre, pranayamas (exercícios de respiração consciente).

Quando Kapha predomina a noite é um período para iniciar o processo de recolhimento, diminuir o ritmo das atividades, priorizar uma alimentação leve e procurar se recolher para o sono até por volta das 22h.

O horário Pitta noturno induz a atividade do organismo trabalhando a favor da renovação das células, digestão de processos físicos e emocionais promovendo um repouso restaurador.

O horário Vata noturno promove o sono e repouso profundo, elaboração de sonhos e incita o organismo a despertar com o nascer do sol.

O ciclo do dia dos órgãos e doshas

O nosso organismo como o planeta terra são influenciados pelo sol e pela lua e durante o ciclo do dia alguns órgãos e doshas são afetados ciclicamente de 2 em 2 horas.

11h – 13h | Pitta | Coração

13h – 15h | Pitta | Intestino delgado

15h – 17h | Vata | Bexiga

17h – 19h | Vata-Kapha | Rim

19h – 21h | Kapha | Pericardio

21h – 23h | Kapha-Pitta | Cavidades do corpo

23h – 1h| Pitta | Vesícula Biliar

1h – 3h | Pitta | Fígado

3h – 5h | Vata | Pulmões

5h – 7h | Vata | Cólon

7h – 9h | Kapha | Estômago

9h – 11h | Kapha-Pitta | Baço

O comportamento dos doshas e a digestão

Logo após a refeição Vata é neutro, Pitta acumula e Kapha domina.

Durante a digestão Vata acumula, Pitta domina e Kapha é neutro.

Após a digestão Vata domina, Pitta reduz e Kapha é neutro.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

O sistema endócrino


Hormônios são produzidos pelas glândulas do sistema endócrino e atuam como mensageiros químicos no sangue, afetando o funcionamento das células. Somente algumas células no corpo, conhecidas como células-alvo, são receptivas a hormônios particulares. Receptores hormonais são encontrados tanto expostos na superfície da célula ou dentro dela, dependendo do tipo de hormônio. A ligação do hormônio ao receptor desencadeia uma cascata de reações dentro da célula que afeta praticamente todas as funções do corpo.

As principais glândulas endócrinas



Glândula pineal: secreta um hormônio que pode ajudar a regular os padrões de sono e vigília.

Hipotálamo: controla a temperatura corporal, o apetite e o balanço de água no corpo, além de ser o principal centro da expressão emocional e do comportamento sexual. O hipotálamo faz também a integração entre os sistemas nervoso e endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas produtoras de hormônios.

Glândula pituitária: também chamada a glândula mestre, produz hormonios que controlam várias outras glândulas endócrinas.

Glândula tireóide: (ou paratireóide): hormônios que controlam a velocidade com que as células queimam o combustível a partir de alimentos, a fim de produzir energia.

Glândula timo: desempenha um papel importante no desenvolvimento do sistema imunológico no início da vida.

Glândulas supra-renais: desempenham um grande papel na regulação da resposta do organismo ao estresse, equilibrando o sistema imunológico e o metabolismo.

Gônadas: (testículos nos homens e ovários nas mulheres) secretam os hormônios sexuais, testosterona nos homens e estrógeno e progesterona nas mulheres, que controlam o desenvolvimento sexual, desejo sexual e fertilidade.

Ilhotas de Langerhans: células especializadas do pâncreas, funcionam como glândulas endócrinas. Eles secretam a insulina necessária para o metabolismo de açúcar.

Os hormônios secretados por cada uma dessas glândulas tem um efeito dramático sobre a psicologia humana, e desequilíbrios neles podem causar problemas físicos e emocionais.

Desequilíbrio dos Chakras




Cada Chakra tem uma função especial em equilibrar aspectos das energias sutis que entram à partir da nossa aura e que são filtradas para que cheguem na vibração aceita pelo nosso corpo físico. Adicionalmente cada Chakra envia mensagens energéticas através da aura para o nosso meio ambiente. Essas mensagens, na forma de impulsos eletromagnéticos sutis, são afetadas por inúmeros fatores, incluindo nossas emoções. A análise de seus Chakras pode ser um interessante exercício de autoconhecimento. Para isso você deve perceber como estão os diversos aspectos de sua vida, se está com problemas, se está adoentado, ou passando por situações estressantes. Veja abaixo:

Se seu Chakra Básico pouco ativo, você se sente infeliz com o seu corpo ou formas, ou talvez tenha um sentimento de que está sem controle sobre sua vida. Por outro lado, se seu Chakra Básico está hiperativo, você provavelmente explode com raiva a qualquer provocação.

Baixa energia fluindo através do seu Chakra Sacral significa que você não tem tido nenhum momento alegre em sua vida. E se está super ativo você pode ter mágoas ou frustração.

Inatividade do Chakra do Plexo Solar causará sentimentos de impotência quando se está sob pressão, ou sentimento de enjôo. Se está hiperativo você estará dominador querendo estar no controle da situação.

Se você sente que seu coração está “faltando batidas”, pode indicar que seu Chakra Cardíaco está fraco como também um fraco coração físico. Se seu pulso aumenta em situações estressantes, seu Chakra Cardíaco pode estar hiperativo.

Um Chakra Laríngeo fraco fará você incapaz de expressar a sua verdade, gaguejar ou se agitar. Se estiver hiperativo fará você falar antes de pensar, às vezes com palavras que possam magoar outros.

Se você não consegue visualizar nem organizar sua vida de forma equilibrada, então o seu Chakra Frontal pode estar pouco ativo. Se você tem vivenciado pesadelos com freqüência provavelmente seu Chakra está hiperativo.

Uma incapacidade de pensar de forma clara em situações de stress significa que seu Chakra Coronário está pouco ativo. Se você deseja saborear todas as frutos da sabedoria espiritual antes de ter aprendido como plantá-los, regá-los e esperá-los crescer, então seu Chakra está desequilibrado.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Yoga e Dança



Esse texto foi retirado do livro: Yoga Wisdom and Practice, BKS Iyengar, onde a fonte original está em “Yoga and Dance”, December 1982 Astadala Yogamala, Vol 3, PP 176-78

O texto original abaixo está em inglês e logo em seguida vem a tradução para português feita por mim.

TEXTO EM INGLÊS:

Yoga, being the root of all art, it is complementary and supplementary to dance. Practice of Yoga develops a keen mind, alert eye, proportionate division of limbs, good features, and good voice. It brings agility, swiftness, and elegance in movement, repose and reflection.

Yoga is a subjective expression of an experienced feeling. Dance is expression though the artful display of the emotions, gestures and comportment of an experienced yogi.

Yoga is action. Outwardly it is static but dynamic within, whereas dance is motion and dynamic throughout.

Yoga is beauty in action and dance is beauty in motion.

Yoga has three types of movements: tivra (intense), madhyama (medium) and mrdu (soft). So, too, in dance there are Tandava (vigorous), lasya (soft and slow) with abhinaya (gesture, action, or emotional expression), bhava (disposition and feeling), and rasa (the feeling or sentiment prevailing in a taste or a character).

As Yoga has enumerable asana, so are there karana in dance, which are nothing but yogic asana.

Yoga looks to the formless devoid of attributes or qualities (nirgunabrahama). Dance looks at it with form and attributes (sagunabrahma).

Yoga is a path of involution and renunciation – nivrtti marga – whereas dance is the path of evolution and acceptance of all creation – pravrtti marga. However, the paths of karma, bhakti and jnana are blended beautifully in both the arts.

For a yogi it is important to treat the body as the temple of the soul and each movement as the mantra or the japa. Each adjustment is the artha or the meaning of the movement and each experience is the bhavana or feeling. So also in dance.

Yoga develops a fine body, brings about a smiling face, a sweet voice, clear eyes, clean mind, firm legs and abounding health. Dancers need all these to use the mouth for music, hands to convey meaning, eyes to express feelings and feet for firmness and rhythm. So Yoga is a great help for dance.

Yoga is a subjective presentation displaying position, gesture and expression in the asana, pranayama and dhyana. It is an internal experience and feeling of integrating the body, the senses, the mind and the intelligence with the self. Dance is an external expression of thoughts, passions and actions. The six characteristics of desire, anger, ambition, love, pride and jealously are considered as the enemies for the growth of spiritual knowledge in Yoga and the yogi controls and sublimates them by friendliness (maitri), compassion (karuna), delight (mudita) and indifference (upeksa). The above mentioned six characteristics are considered in dance as companions for expressing the varied sentiments of man’s feelings. These six basic emotions are converted as navarasa into erotic (sringara), comic (hasya), pathetic (karuná), heroic (vira), furious (raudra), fearful (bhayanaka), marvelous (adbhuta), revolting (bibhatsa) and peaceful or meditative (santa). Yoga is a dynamic internal experience of oneself and dance imitates the inner experience of the yogi externally for one to see.

Thus, both Yoga and Dance glow from the immortal forms of the soul expressing themselves through the mortal frame – the body – the temple of the soul and the abode of God – consciousness.

TEXTO EM PORTUGUÊS:

Yoga, sendo a raiz de toda a arte, é complementar e suplementar para dança. A prática de Yoga desenvolve uma mente afiada, uma visão alerta, membros proporcionais, boas características gerais e boa voz. Traz agilidade, rapidez e elegância nos movimentos, repouso e reflexão.

Yoga é uma expressão subjetiva de um sentimento experimentado. Dança é a expressão artística das emoções, gestos e comportamento de um yogi experiente.

Yoga é ação. Externamente, é estática, mas dinâmica para dentro, enquanto a dança é movimento e dinâmica para fora.

Yoga é a beleza em ação e a dança é a beleza em movimento.

Yoga têm três tipos de movimentos: tivra (intensa), madhyama (médio) e mrdu (suave). Assim, também, na dança há Tandava (vigorosa), Lasya (suave e lento) com abhinaya (gesto, ação ou expressão emocional), bhava (disposição e sentimento), e rasa (a sensação ou sentimento que prevalece em um gosto ou um personagem).

Como o Yoga possui enumeráveis asanas, então há karana na dança, que nada mais são que yoga asanas.

Yoga olha para o destituído de forma de atributos ou qualidades (nirgunabrahama). Dança olha para ele com forma e atributos (sagunabrahma).

Yoga é o caminho da involução e da renúncia - nivrtti marga - Considerando que a dança é o caminho da evolução e aceitação de toda a criação – pravrtti marga. No entanto, os caminhos do karma, bhakti e jnana são misturados belamente em ambas as artes.

Para um yogi é importante tratar o corpo como templo da alma e cada movimento, como o mantra ou o japa. Cada ajuste é o artha ou o significado do movimento e cada experiência é bhavana ou sentimento. Assim também na dança.

Yoga desenvolve um belo corpo, traz um sorriso no rosto, uma voz doce, olhos claros, mente limpa, as pernas firmes e saúde em abundância. Dançarinos precisam de tudo isso para usar a boca para a música, as mãos para transmitir um significado, olhos para expressar sentimentos e os pés para a firmeza e ritmo. Então, o Yoga é uma grande ajuda para a dança.

Yoga é uma apresentação subjetiva exibindo gesto, posição e expressão no asana, pranayama e dhyana. É uma experiência interna e sentimento de integração do corpo, dos sentidos, da mente e da inteligência com o self. A dança é uma expressão externa de pensamentos, paixões e ações. As seis características de desejo, raiva, ambição, amor, orgulho e ciúmes são consideradas como os inimigas para o crescimento do conhecimento espiritual no Yoga e o iogue as controla e sublima com simpatia (maitri), compaixão (karuna), alegria (mudita) e indiferença (upeksa). As seis características mencionadas acima são consideradas na dança como companheiras para exprimir os variados sentimentos do homem. Essas seis emoções básicas são convertidas como navarasa em erótico (Sringara), cômico (hasya), patético (Karuna), heróico (vira), furioso (raudra), amedrontado (bhayanaka), maravilhado (Adbhuta), revoltado (bibhatsa) e pacífico ou meditativo (santa). Yoga é uma experiência dinâmica interna de si mesmo e a dança imita a experiência interior do yogi externamente para que seja visto.

Assim, tanto o Yoga e a Dança brilham como formas imortais e se expressam através da moldura mortal - o corpo - o templo da alma e a morada de Deus - a consciência.