terça-feira, 20 de maio de 2014

Menstruação, desintoxicação e renovação




Sangrar todo mês, toda lua, minha lua, sua lua, lua vermelha.

Aproveitemos esse período para nos percebermos, nos conectarmos com o nosso corpo, nossas emoções, sensações. A qualidade do período menstrual decorre da qualidade do período que não menstruamos.
Para evitar cólicas e sensações de desconforto, pelo menos uma semana antes de menstruar é importante que o excesso de sal e o café sejam eliminados da dieta, juntamente as carnes de qualquer tipo, bebidas alcoólicas, alimentos e bebidas industrializadas e doces refinados. É importante aumentar o consumo de frutas, legumes, vegetais, grãos orgânicos, castanhas e nozes, água de coco, sucos naturais, chás de ervas como camomila, erva doce, funcho, hibisco, gengibre, capim cidreira, melissa.

Caminhadas, exercícios suaves, dança, bike, yoga, tai chi podem trazer bem estar e equilíbrio. Procure durante a menstruação fazer atividades lúdicas, criativas, alegres, leves, solte a sua criança interior e descanse o quanto o seu corpo pedir.

Durante a menstruação reduza o excesso de atividades, faça tudo num ritmo mais sereno e tranquilo. Se sentir desconforto como cólicas tenha sempre uma bolsa de água quente por perto ou faça massagens circulares no ventre com óleo de gergelim morninho. Pode acrescentar 1 gotinha de óleo essencial de gerânio, 1 de sálvia esclareia e mais 1 de capim limão para 1 colher de sopa cheia. Se quiser pode passar esse óleo no corpo todo também.

Alguns dias antes e durante a menstruação mantenha o ventre coberto quentinho e os pés também. Evite se sentar em locais frios, sempre coloque uma almofada ou tapetinho.

Procure anotar sempre qual fase da lua você menstrua para se conectar com a energia que está presente em você. Ao menstruar entre a lua minguante e nova você estará mais sintonizada com o objetivo dessas fases que seriam de limpeza e desintoxicação. Da mesma forma a menstruação é um período de limpeza, de reflexão e renovação. É como se fosse uma reciclagem mensal.

Sangrar para gerar vida no período da ovulação que coincide com as luas férteis, crescente e cheia.

Honrar o período da menstruação é um ato de amor a si mesma e ao feminino sagrado que existe em cada mulher como arquétipo ancestral. Separar um pouco do seu sangue menstrual e misturar com água para regar a mãe terra é um ato de conexão e gratidão pelos ciclos sagrados de renovação.

Encare esse período com carinho e cuidados com você, sentindo-o como o seu período de poder.

quinta-feira, 17 de abril de 2014

O poder do gengibre


A raiz do gengibre é muito usada no Ayurveda pois tem o poder de acelerar o metabolismo sendo útil para digerir e eliminar toxinas do organismo. O gengibre possui as características: quente, picante e doce. Em excesso pode aumentar o dosha pitta. O gengibre em pó é um melhor estimulante para kapha e o fresco é mais indicado para vata e pitta. O sabor do gengibre da um toque especial nas receitas fazendo com que a refeição se torne mais leve e digestiva. O gengibre é muito benéfico no tempo frio pois aquece, estimula a circulação e energiza.

O gengibre é indicado para tratar gripes, resfriados, tosse, coriza, congestão, náusea, indigestão, gases estomacais, inflamação na garganta, laringite, sendo muito benéfico para tratamentos dos sistemas digestivo e respiratório. O gengibre em pó com um pouco de água morna na forma de pasta pode ser aplicado na testa quando houver dor de cabeça. Da mesma forma ou ralado colocado com um pano de algodão banhado em água morna, pode ser aplicado nas articulações e músculos doloridos ativando a energia do local. 

O gengibre em pó para problemas respiratórios kapha pode ser tomado na forma de chá com um pouco de mel (sempre colocar o mel no chá quando a água estiver numa temperatura agradável para tomar, não pode ser muito quente pois o mel perde suas propriedades medicinais).

Mascar um pedaço de gengibre fresco ou tomar um chá de gengibre 30min antes das refeições prepara o organismo para uma melhor digestibilidade acendendo o agni ou fogo digestivo. Tomar um chá de gengibre após uma refeição pesada ajuda na digestão.

O gengibre é um alimento sátvico pois age no desbloqueio dos canais sutis ou energéticos, amplia a mente, os sentidos e eleva a frequência vibracional. 

Tenhamos sempre gengibre por perto!

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Massala


Massala é uma combinação de temperos. Os temperos em grãos e sementes devem ser aquecidos para que liberem sua potência terapêutica. O calor faz esse processo. Ao aquecer as especiarias elas liberam seu aroma e sabor também. Após o aquecimento e resfriamento até a temperatura ambiente as especiarias podem ser moídas com um pilão ou em moedores de grãos. A combinação deve ter os seis sabores: doce, azedo, picante, amargo e adstringente, tudo em uma combinação particular para determinada receita, indicação terapêutica e ou estação do ano. Existem muitos tipos de combinações. Segue abaixo algumas para você experimentar. As medidas abaixo duram em média uma semana. Se quiser fazer mais quantidade é só aumentar proporcionalmente. Após pronta a mistura você pode cozinhar junto com os alimentos associando ghee ou outros óleos ou pode salpicar sobre os alimentos.

Temperos que harmonizam Vata: Cardamomo, Anis, Manjericão, Pimenta Preta, Caiena, Canela, Cravo, Coentro, Cominho, Erva doce, Feno grego, Alho, Gengibre, Mostarda, Noz moscada, Cebola, Orégano, Páprica, Hortelã pimenta, Semente de abóbora, Alecrim, Açafrão, Sementes de gergelim, Assafétida, Louro, Manjerona.

Temperos que harmonizam Pitta: Coentro, Cominho, Erva doce, Hortelã pimenta, Cravo vermelho, Açafrão, Feno grego, Cardamomo, Anis, Canela, Endro.

Temperos que harmonizam Kapha: Cardamomo, Anis, Manjericão, Pimenta Preta, Caiena, Canela, Cravo, Coentro, Cominho, Erva doce, Feno grego, Alho, Gengibre, Mostarda, Noz moscada, Cebola, Orégano, Páprica, Hortelã pimenta, Cravo vermelho, Alecrim, Açafrão, Assafétida, Pimenta do Reino.

Obs: temperos de doshas diferentes podem ser adicionados nas massalas desde que em pouca quantidade. Você pode usar a sua criatividade e experimentar diversas combinações.

Essa opção abaixo vai beneficiar mais o dosha Vata:

açafrão em pó (1 col sopa)
gengibre em pó (1 col sopa)
cominho semente (1 col chá)
coentro grão (1 col chá)
pimenta preta grão (1 col café)
noz moscada em pó (1 col café)

Essa opção abaixo vai beneficiar mais o dosha Pitta:

feno grego em pó (1 col café)
coentro em grão (1 col sopa)
cardamomo semente (1 col café)
cominho semente (1 col café)
açafrão em pó (1 col chá)
erva doce semente (1 col café)

Essa opção abaixo vai beneficiar mais o dosha Kapha:

gengibre em pó (1 col sopa)
pimenta do reino pó (1 col café)
alecrim seco (1 col chá)
mostarda amarela em grãos (1 col chá)
cominho semente (1 col café)
açafrão em pó
(1 col chá)

Aqueça grãos e sementes. (pode experimentar aquecer com um pouco de ghee).
Após esfriar moa e misture com os pós.

Massala para doces:

canela em pó (1 col chá))
gengibre em pó (1 col de sopa)
noz moscada em pó (1 col café)
cardamomo semente (1 col café)
cravo em pó (1 col café)
erva doce (1 col café)

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Shakti Prana



Enquanto nós não aprendermos a ouvir o nosso corpo e entender os sinais que ele nos dá estaremos andando em círculos até que surja um momento de despertar. Esse momento pode ou não suave, depende de nós. O meio suave é buscar viver uma vida simples, sem vícios, excessos, "pré-ocupações", sem viver no passado ou no futuro e buscar o contato com a natureza que simboliza a Mãe Divina que nos nutre, nos acolhe e principalmente, confiar na sabedoria cósmica.

-----

Da mesma forma que as marés oceânicas são afetadas pelos movimentos da lua, também as águas do útero são afetadas da mesma forma. Os ritmos naturais femininos são sustentados pelos ciclos mensais menstruais. Nossas primeiras ancestrais femininas sabiam desta verdade a nível celular. Profundamente harmonizadas com os ciclos naturais, elas menstruavam com a lua nova, quando a energia ojas da lua (que protege o corpo físico) está em seu ponto mais baixo, e as energias absorventes do sol estão em seu ponto máximo. Quando o sangue menstrual começava a fluir, elas se separavam dos homens e crianças para observar o sadhana do descanso e da renovação. A lua nova era a época em que as mulheres temporariamente abandonavam o fardo das responsabilidades, para se concentrarem apenas na auto-renovação e na auto-nutrição, dentro de um espírito de irmandade e comunidade.

Em nossa era pós-industrial, o uso de pílulas e dispositivos anticoncepcionais, terapias hormonais, antibióticos, e a alteração química das fontes mundiais de alimentos desequilibraram os ritmos internos do corpo, fazendo com que nossos ciclos menstruais saíssem de alinhamento com o ciclo lunar. Esta falta de alinhamento prejudica o fluxo do shakti-prana, o prana sutil feminino básico, o que por sua vez produz desequilíbrios hormonais e doenças.

A energia shakti oferece uma ampla base para a cura de ferimentos físicos e emocionais. Todas as células, tecidos e lembranças do corpo de uma mulher são permeados pelos bilhões de anos de memórias e energias herdadas da shakti da Mãe Divina. O leite Dela flui em nossos seios, e quando a lua está cheia Seu néctar percorre nossos úteros, determinando a época da ovulação. Durante a gravidez, enquanto nossas barrigas incham com vida nova, nós imitamos a Mãe Shakti e engordamos, indo da magreza prateada da lua crescente para a plenitude redonda da lua cheia. A Mãe que nos cerca também está dentro de nós na forma de Shakti Prana.

(Fonte: O caminho da prática. Bri Maya Tiwari)

domingo, 5 de janeiro de 2014

Mulheres Curadoras



 Arte: Ronnie Biccard

Vejo sempre muitas mulheres buscadoras e ou curadoras presentes em peso em diversos cursos, vivências de autoconhecimento, esses que muitas vezes não se enquadram no sistema racionalista cartesiano.

Mulheres Curadoras

Erveiras, raizeiras, benzedeiras, mulheres sábias que por muito tempo andaram sumidas, ou até mesmo escondidas. Hoje retornam com um diploma de pós-graduação nas mãos e um sorriso maroto nos lábios. Seu saber mudou de nome. Chamam de terapia alternativa, medicina vibracional, fitoterapia, práticas complementares...são reconhecidas e respeitadas, tem seus consultórios e fazem palestras.


As mulheres curadoras fazem parte de um antigo arquétipo da humanidade. Em todas as lendas e mitos, quando há alguém doente ou com dores, sempre aparece uma mulher idosa para oferecer um chazinho, fazer uma compressa, dar um conselho sábio. Na verdade, a mulher idosa é um arquétipo da ‘curadora’, também chamada nos mitos de Grande Mãe.


Não tem nada a ver com a idade cronológica, porque esse é um arquétipo comum a todas as mulheres que sentem o chamado para a criatividade, que se interessam por novos conhecimentos e estão sempre a procura de mais crescimento interno. Sua sabedoria é saber que somos “obras em andamento’, apesar do cansaço, dos tombos, das perdas que sofremos... a alma dessas mulheres é mais velha que o tempo, e seu espírito é eternamente jovem.


Talvez seja por isso que, como disse Clarissa Pinkola, toda mulher parece com uma árvore. Nas camadas mais profundas de sua alma ela abriga raízes vitais que puxam a energia das profundezas para cima, para nutrir suas folhas, flores e frutos. Ninguém compreende de onde uma mulher retira tanta força, tanta esperança, tanta vida. Mesmo quando são cortadas, tolhidas, retalhadas, de suas raízes ainda nascem brotos que vão trazer tudo de volta à vida outra vez.


Por isso entendem as mulheres de plantas que curam, dos ciclos da lua, das estações que vão e vem ao longo da roda do sol pelo céu. Elas tem um pacto com essa fonte sábia e misteriosa que é a natureza,. Prova disso é que sempre se encontra mulheres nos bancos das salas de aula, prontas para aprender, para recomeçar, para ampliar sua visão interior. Elas não param de voltar a crescer...
Nunca escrevem tratados sobre o que sabem, mas como sabem coisas! Hoje os cientistas descobrem o que nossas avós já diziam: as plantas têm consciência! Elas são capazes de entender e corresponder ao ambiente à sua volta. Converse com o “dente-de-leão” para ver... comunique-se com as plantas de seu jardim, com seus vasos, com suas ervas e raízes, o segredo é sempre o amor.


Minha mãe dizia que as árvores são passagens para os mundos místicos, e que suas raízes são como antenas que dão acesso aos mundos subterrâneos. Por isso ela mantinha em nossa casa algumas árvores que tinham tratamento especial. Uma delas era chamada de “árvore protetora da família”, e era vista como fonte de cura, de força e energia. Qualquer problema, corríamos para abraçá-la e pedir proteção.
O arquétipo de ‘curadora’ faz parte da essência do feminino, mesmo que seja vivenciado por um homem. Isso está aquém dos rótulos e definições de gênero. Faz parte de conhecimentos ancestrais que foram conservados em nosso inconsciente coletivo. Perdemos a capacidade de olhar o mundo com encantamento, mas podemos reaprender isso prestando atenção nas lendas e nos mitos que ainda falam de realidades invisíveis que nos rodeiam. Um exemplo? Procure saber mais sobre os seres elementais que povoam os nossos jardins e as fontes de águas... fadas, gnomos, elfos, sílfides, ondinas, salamandras...


As “curadoras’ afirmam que podemos atrair seres encantados para nossos jardins! Como? Plantando flores e plantas que atraiam abelhas e borboletas, gaiolas abertas para passarinhos e bebedouros para beija-flores. Algumas plantas ‘convidam’ lindas borboletas para seu jardim, como milefólio, lavanda, hortelã silvestre, alecrim, tomilho, verbena, petúnia e outras. Deixe em seu jardim uma área levemente selvagem, sem grama, os seres elementais gostam disso. Convide fadas e elfos para viverem lá. Lembre-se: onde você colocar sua percepção e sua consciência, a energia vai atrás.

Texto de: Mani Alvarez

sábado, 4 de janeiro de 2014

Prana, Tejas e Ojas



 Arte: Vrindavan Das

Três energias que em uma combinação harmônica promovem bem estar e felicidade.

PRANA: Energia vital que organiza o funcionamento da inteligência sutil. Dá vitalidade à mente e é captado pelos chakras. A qualidade do prana expressa a mente. Tem função espiritual que se abre com a meditação, mantras e disciplina espiritual. Proporciona entusiasmo, flexibilidade mental e física. Desenvolve a compreensão e a coordenação de ideias, criatividade e comunicação. Governa o processo de desenvolvimento do corpo e da mente. Percebe-se nas pessoas pela motivação pela vida. Captado pelo Prana Vayu.

TEJAS: energia mais sutil de Pitta. Promove a inteligência, a razão, a paixão pelo conhecimento e pelas descobertas, paixão pela vida, promove o poder de auto discuplina. Por causa de Tejas, as nossas células sabem como se comunicar umas com as outras através de hormônios e outros mensageiros biológicos. Governa a capacidade de percepção evidenciada pela clareza mental promovendo coragem, audácia e valor. Captado pelo Sadhaka Pitta.

OJAS: Energia mais sutil de Kapha, responsável pela sublimação final do processo energético com a proteção dos canais energéticos Nadis favorecendo a retenção do prana pelo corpo. Promove a força mental, atua na capacidade da memória e na permanência no estado da concentração. Fortalece o sistema imunológico, resistência física, capacidade para sustentar o trabalho e o esforço. Fertilidade é um sinal de ojas, porque o corpo nutre os órgãos reprodutivos somente após os outros tecidos forem nutridos. Em nível psicológico dá estabilidade e segurança na vida promovendo a paz mental. Percebe-se nas pessoas pelo contentamento, autoestima e pela calma. É absorvido pelo Tarpaka Kapha.